sexta-feira, 31 de maio de 2013

Acento grave com substantivo masculino?

Ambulância de Nova Independência-SP visitando Araçatuba ostentou erro de acentuação pelas ruas da cidade. O veículo apresenta inscrição com erro no emprego do acento grave. Não se põe tal acento antes de palavras masculinas, em raríssimas exceções. Se houvesse artigo, a expressão ficaria "ao serviço da saúde". Está aí a dica, basta apenas uma pequena intervenção de tinta branca para fazer a correção.

O mesmo café com grafias diferentes

O café expresso é feito em máquinas, mais forte. Também conhecido por café italiano. Na Itália, escreve-se "espresso"; no Brasil, expresso. No veículo, onde se encontra tal inscrição há um erro de grafia.
 Cassiano Ricardo tem um poema com o nome "Café expresso". Leia o texto, clicando aqui 

LEIA MAIS SOBRE O CAFÉ EXPRESSO, clicando aqui

sábado, 29 de setembro de 2012

Gravidezes

Como a mulher tem apenas uma gravidez em período de nove meses, então, as pessoas acham esquisito o plural  “gravidezes”. A figura das três mulheres grávidas tira todas as dúvidas. Se plural de “vez” é “vezes”, de gravidez, gravidezes. 

Equina - sem trema

A palavra “equina” não tem mais trema, conforme o Acordo Ortográfico vigente.

Antirrábica - com dois erres



Jornal de Araçatuba-SP publicou notícia de Andradina sobre a campanha de vacinação antirrábica. Aproveito a oportunidade para dizer que a palavra “antirrábica” está escrita corretamente, conforme determina o Acordo Ortográfico.
“Rábica” não começa por “h”, por isso “antirrábica” não tem hífen, como: anti-higiênico.
“Rábica” não começa por “i” (não há repetição de letra), como em “anti-inflacionário”, por isso “antirrábica” não tem hífen.
Então, não há como justificar o uso do hífen em tal palavra. Dobra-se a letra “r” por uma questão ortográfica, como em “antissocial”. Assim também são escritas sem o tracinho (hífen): antiaéreo, antipedagógico, etc. 

sábado, 30 de julho de 2011

Postesia




Postesia é poesia no poste, um movimento paulistano que leva poesia para as ruas. Veja a proposta: 

“Sarau do Binho é um encontro entre poetas, artistas da música, do teatro, das artes visuais, agentes culturais, professores, estudantes, PESSOAS! Reúnem-se semanalmente às segundas-feiras para ouvir e falar poesia. A troca é pura energia! Vivemos numa época em que as pessoas se queixam de que as RELAÇÕES HUMANAS são superficiais e não se sustentam, os conflitos crescem em todas as áreas e as linguagens não são compreendidas, precisamos nos dispor a olhar com o intuito de aprender....”

Veja a poesia feita propositalmente em linguagem popular. Cefaleia, acentuada, antes do acordo ortográfico, significa “dor de cabeça”. Agora, cefaleia não tem mais acento.

Regência nominal em Paraty


Placa em Paraty - Rio de Janeiro

Dificilmente, encontraríamos uma placa assim em Araçatuba. O letrista teria escrito: “Caminhões de frete – mudanças em geral”. Vendo a placa, registrei-a, pois considerei a regência interessante. Fazendo um paralelo: “cobrança de frete”. Frete é transporte de material ou mercadoria mediante pagamento.

Os dicionários adotam como correta a regência usada em Paraty. Veja o que diz o Houaiss: a frete - para aluguel, mediante pagamento de determinada tarifa (diz-se de veículo). Exemplo: para mudar-se, precisava encontrar um caminhão a frete.

Não acredito que a regência “ caminhão de frete” esteja errada, trata-se de regionalismo, e ele não se manifesta apenas na pronúncia das palavras.

Então, caro leitor, se encontrar a construção “caminhão a frete”, não estranhe, é a regência adotada pelos dicionários.